Quinta, 26 de abril de 2018
Contato:(75) 9 9911-5583 E-mail itaberabaemfoco@gmail.com

22º

Min 20º Max 27º

Claro

Itaberaba - BA

às 21:50
Bahia

10/04/2018 ás 07h50

Itaberaba em Foco

Itaberaba / BA

Ministro do Supremo Tribunal Federal manda investigar o Deputado Federal João Gualberto por supostas irregularidades.
Na época, Gualberto era prefeito da cidade da Região Metropolitana de Salvador (RMS). Atualmente, é pré-candidato ao governo do Estado da Bahia.
Ministro do Supremo Tribunal Federal manda investigar o Deputado Federal João Gualberto por supostas irregularidades.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, autorizou abertura de inquérito contra o deputado federal João Gualberto (PSDB) para investigar se ele cometeu irregularidades na contratação de bandas para os festejos de Réveillon em Mata de São João, nos dias 31 de dezembro de 2009 e 1º de janeiro de 2010.


Na época, Gualberto era prefeito da cidade da Região Metropolitana de Salvador (RMS). Atualmente, é pré-candidato ao governo do Estado da Bahia. Sua participação na disputa foi anunciada nesta segunda-feira (9).


Fachin aceitou um pedido de investigação feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. A decisão em que autorizou a instauração das apurações foi expedida pelo ministro 19 de fevereiro deste ano.


De acordo com a PGR, com base em elementos colhidos em um procedimento administrativo, foi possível encontrar “consistentes indícios de irregularidade” na contratação, com dispensa de licitação, dos grupos musicais Via Circular, Filhos de Jorge, Mr. João, Motumbá e Tia Chica para as festas de fim de ano feitas nas localidades de Vila da Praia do Forte e Vila do Imbassaí.


Para Raquel Dodge, a falta de licitação só seria justificável caso os artistas contratados fossem consagrados pela crítica especializada ou pela opinião pública. No entanto, na avaliação da procuradora-geral da República, este não é o caso das bandas chamadas pela prefeitura e, se fosse, seria apenas em âmbito local.


A chefe da PGR ainda chamou atenção para a necessidade de se apurar as relações entre a sociedade empresarial FAF Produções e os músicos contratados porque, de acordo com ela, são comuns os casos de bandas e artistas que formalmente seriam representados por empresários exclusivos, mas a representação, na prática, acontece apenas para uma festividade específica. Isso classifica, segundo ela, malversação de recursos públicos.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium